Blog

Associação Cidadãos de Esposende cria campanha contra estacionamento abusivo

ominho
braga TV

Associação Cidadãos de Esposende lança campanha contra o estacionamento abusivo

 

Depois de receber vários pedidos por parte da população local, a Associação Cidadãos de Esposende vai passar para o terreno com uma campanha contra o estacionamento abusivo, que considera relevante para o concelho e para melhoria da qualidade de vida dos esposendenses.

 

Em Esposende, são várias as viaturas que apresentam sinais de abandono na via pública. Um pouco por todo o concelho existem viaturas que ocupam o mesmo lugar de estacionamento, algumas com visíveis sinais de abandono.

 

Este é um problema que em 2020 levou a associação a denunciar vários casos, sendo os carros posteriormente removidos conforme previsto na lei vigente.

 

Diz o artigo 163.º do Código da Estrada que é considerado indevido ou abusivo o estacionamento de veículo, durante 30 dias consecutivos, em local da via pública ou em parque ou zona de estacionamento isentos do pagamento de qualquer taxa. O mesmo se aplica a veículos sem chapa de matrícula ou com chapa que não permita a correta leitura da matrícula. E, ainda, a automóveis que apresentem sinais exteriores evidentes de abandono, de inutilização ou de impossibilidade de se deslocarem com segurança pelos próprios meios, que estejam parados no mesmo local por um período superior a 48 horas.

 

Com a remoção das viaturas, a associação pretende em primeiro lugar melhorar a imagem paisagística do concelho, devolvendo os lugares para estacionamento e requalificando o espaço público. Além de melhorar a qualidade ambiental, com esta medida pretende-se também beneficiar a mobilidade dos transeuntes e aumentar a sua segurança.

 

Para facilitar o registo das viaturas abandonadas ou com largos períodos contínuos de estacionamento, a associação pede que sejam enviados os dados para o endereço de e-mail Geral@Esposende.org, sendo que todo o processo de registo e posterior comunicação às entidades será feito pelos responsáveis da associação, preservando assim a identidade de quem faz chegar o problema.

 

A associação apela à população para que não abandone as viaturas em fim de vida na via pública, porque, além de causar dificuldades de estacionamento, estas são prejudiciais ao ambiente.

 

 

 

Associação Cidadãos de Esposende alerta para poços a céu aberto em Esposende

Associação Cidadãos de Esposende alerta para poços a céu aberto em Esposende

A Associação Cidadãos de Esposende alerta os cidadãos para a existência de vários poços a céu aberto no concelho, sem qualquer vedação ou sinalização para prevenir acidentes. Esta situação coloca em risco a vida das pessoas e dos animais em Esposende.

A Associação tomou conhecimento de um acidente, ocorrido recentemente num destes poços, que provocou a morte a um cão e deixou a sua família em sofrimento. A Associação não quer que amanhã seja notícia a morte de uma criança, pelo que alertou várias entidades nacionais para que intervenham nesta situação.

A morte de um animal no dia 8 de março não deixou indiferente a Associação, que pretende que as entidades responsáveis apurem quantos poços existem a céu aberto em Esposende e a legalidade dos mesmos, tendo conhecimento de pelo menos sete locais onde existem poços sem qualquer segurança mas que podem chegar às dezenas espalhados por todo o concelho.

 

Não se entende que em pleno 2021, sendo Esposende um concelho que pretende ser uma referência a nível de turismo e de inovação, se verifiquem situações destas e que se tenha de lamentar a morte de um animal para que sejam tomadas medidas. A Associação teve conhecimento dos poços a céu aberto no dia 9 de março e no mesmo dia já iniciou os contactos com diferentes entidades nacionais para que esclareçam a legalidade dos mesmos e apurem responsabilidades.

 

A Associação apela aos Esposendenses para que denunciem estas situações, seja através do endereço de e-mail institucional Geral@Esposende.org ou da plataforma de alertas que a associação dispõem ao serviço da comunidade local, www.AlertaCidadao.pt, sendo importante a contribuição dos cidadãos para evitar futuras tragédias em Esposende.

 

De recordar que foi esta mesma associação que alertou para os problemas de segurança na ponte  D. Luís Filipe, tal era a gravidade do estado da ponte que a Associação pediu o seu fecho imediato, situação que levou a empresa Infraestruturas de Portugal a intervir na recuperação total do passadiço. Foi também por intervenção desta associação que terminou uma extração ilegal de areias nas dunas de Esposende.

 

 

 

 

Associação Cidadãos de Esposende lança plataforma de apoio à restauração e comércio

O novo espaço online permite a divulgação das empresas de forma totalmente gratuita.

Associação Cidadãos de Esposende anunciou o lançamento de uma plataforma online para apoiar a restauração e o comércio em Esposende.

“Não podemos ficar parados, assistir a despedimentos, assistir às enormes dificuldades que a restauração e o comércio vivem no concelho de Esposende e nada fazer na esperança de melhores dias”, disse a associação sobre a situação local.

As restrições por causa da pandemia de covid-19 estão a colocar sérios problemas à restauração e ao comércio no concelho.

Plataforma de promoção gratuita

A nova plataforma que a associação está a lançar será totalmente gratuita, não tendo nem no seu lançamento nem posteriormente qualquer custo para os empresários – ao contrário de outras plataformas existentes em Portugal, que inicialmente facultam o alojamento gratuito mas que posteriormente cobram para a manutenção da informação das empresas online.

Neste caso, os custos serão suportados pela associação, que pretende desta forma dar o seu contributo para setores que passam por grandes dificuldades e desta forma logrem melhorar a sua visibilidade.

O novo espaço, ESPOSENDE.EU, será inteiramente dedicado para divulgar a restauração e o comércio do concelho de Esposende, sendo apenas necessário que os empresários enviem os dados referente ao local. Toda a informação sobre como aderir já pode ser consultada na nova plataforma.

Os consumidores podem navegar na plataforma sem necessidade de registo para pesquisar e ver informações sobre os estabelecimentos, saber por exemplo se existe entrega via ‘takeaway’, a localização, o horário, formas de pagamento, ligação a redes sociais ou página web, caso os estabelecimentos detenham algum destes meios de comunicação.

Presença online tornou-se obrigatória

Num altura em que o crescimento das compras através da pesquisa online aumentou exponencialmente, ter uma presença ativa neste meio pode ajudar a chegar a novos clientes e a fidelizar os já existentes. A ESPOSENDE.EU pretende ser mais um meio de divulgação num período de pandemia e de grandes dificuldades.

Para os responsáveis da Associação Cidadãos de Esposende “é tempo de agir” e é “necessário ajudar quem contribui imenso para a economia local.” Depois de um verão mau e um outono péssimo, consideram não poder ficar à espera de um inverno caótico sem nada fazer.

“Queremos que os nossos empresários sintam que podem dar este primeiro passo com confiança”, sublinhou a presidente da direção, Maria Araújo, sobre a nova plataforma Esposende.eu“sabendo que têm na associação um parceiro que os pode ajudar a dar a conhecer o seu negócio, aumentar as suas vendas e a marcarem presença num presente e futuro que se quer cada vez mais tecnológico.”

Em plena pandemia da Covid-19, estando Esposende como concelho de Risco Extremamente Elevado, a associação considera “fundamental” a entreajuda, mostrar que Esposende está unido perante as dificuldades e que entre todos lograremos superar estes difíceis momentos.

Fonte: Minho Digital

Consulte aqui todas as medidas do novo Estado de Emergência

medidas-novo-estado-emergencia-covid19-estamoson

Em vigor a partir das 00h de terça-feira, dia 24 de novembro, e até às 23h59 de dia 8 de dezembro.

Entre as medidas mais restritivas, está a proibição de circulação entre concelhos nos feriados de dezembro.

Medidas:

Gerais

– Uso obrigatório de máscara nos locais de trabalho;

– Proibição de circulação entre concelhos entre as 23h de 27 novembro e as 5h de 2 dezembro e ainda entre as 23h de 4 dezembro e as 5h de 9 dezembro;

– Suspensão das atividades letivas a 30 novembro e 7 dezembro;

– Tolerância de ponto a 30 de novembro e 7 de dezembro. Apelo a entidades privadas para dispensa de trabalhadores a 30 de novembro e 7 de dezembro;

 

Mapa de Risco

 

– Portugal partido em quatro zonas de risco: Risco extremamente elevado quando há mais de 960 casos de Covid por 100 mil habitantes (47 concelhos); Risco muito elevado quando há entre 480 e 960 casos de Covid por 100 mil habitantes (80 concelhos); Risco elevado quando há entre 240 e 480 casos de Covid por 100 mil habitantes (86 concelhos); Risco moderado quando há até 240 casos de Covid por 100 mil habitantes (65 concelhos).

Restrições nos concelhos com mais de 240 casos por 100 mil habitantes:

– Manutenção da proibição de circulação na via pública entre as 23h e as 5h em todos os dias;

– Ação de fiscalização do cumprimento de teletrabalho obrigatório;

– Manutenção dos horários de encerramento: estabelecimentos comerciais às 22h, restaurantes e equipamentos culturais às 22h30;

 

Restrições adicionais nos concelhos com mais de 480 casos (além das anteriores já mencionadas)

– Sábados, domingos e feriados de 1 e 8 dezembro: Proibição de circulação na via pública e encerramento de estabelecimentos comerciais entre as 13h e as 5h;

– Nos dias 30 de novembro e 7 de dezembro (vésperas de feriados): Encerramento dos estabelecimentos comerciais a partir das 15h;

 

Medidas de apoio económico:

– Apoiar.pt: 1.550 milhões de euros;

– Acesso imediato ao Apoio à Retoma Progressiva;

– Adiamento dos pagamentos à Segurança Social e IVA trimestral; 

– Apoio à restauração;

– Na próxima semana: rendas comerciais;

 

      A Lista dos Concelhos segundo os 4 níveis de risco

 

 

Moderado < 240

Aljezur

Alvito

Mértola

Moura

Mourão

Portel

Sernancelhe

Vidigueira

Alcoutim

Almodôvar

Alvaiázere

Arraiolos

Castelo de Vide

Castro Marim

Góis

Ourique

Pinhel

Santiago do Cacém

Vendas Novas

Vila de Rei

Aguiar da Beira

Alandroal

Aljustrel

Alpiarça

Alter do Chão

Avis

Barrancos

Beja

Bombarral

Borba

Caldas da Rainha

Carrazeda de Ansiães

Carregal do Sal

Castanheira de Pêra

Castro Verde

Ferreira do Alentejo

Ferreira do Zêzere

Figueiró dos Vinhos

Fornos de Algodres

Fronteira

Golegã

Gouveia

Loulé

Lourinhã

Mação

Marvão

Moimenta da Beira

Monchique

Óbidos

Odemira

Olhão

Oliveira do Hospital

Pedrógão Grande

Santa Comba Dão

São Brás de Alportel

Sertã

Silves

Sousel

Tábua

Tabuaço

Tavira

Vila Flor

Vila Real de Santo António

Vila Velha de Ródão

Vouzela

 

Risco Elevado > 240 a 480

Albufeira

Alcácer do Sal

Alcobaça

Alcochete

Alenquer

Almeida

Almeirim

Anadia

Ansião

Arronches

Arruda dos Vinhos

Barreiro

Batalha

Benavente

Cadaval

Campo Maior

Castelo Branco

Castro Daire

Chamusca

Coimbra

Condeixa-a-Nova

Cuba

Elvas

Entroncamento

Estremoz

Évora

Faro

Gavião

Grândola

Idanha-a-Nova

Lagoa

Lagos

Leiria

Lousã

Mafra

Marinha Grande

Melgaço

Mesão Frio

Mira

Miranda do Douro

Moita

Monção

Monforte

Montalegre

Montemor-o-Novo

Montemor-o-Velho

Montijo

Mortágua

Nelas

Palmela

Paredes de Coura

Penalva do Castelo

Penedono

Peniche

Peso da Régua

Ponte da Barca

Ponte de Sor

Portimão

Porto de Mós

Redondo

Ribeira de Pena

Rio Maior

Salvaterra de Magos

Santarém

São João da Pesqueira

Sardoal

Serpa

Sesimbra

Sobral de Monte Agraço

Soure

Terras de Bouro

Tomar

Tondela

Torres Novas

Torres Vedras

Trancoso

Viana do Alentejo

Viana do Castelo

Vila do Bispo

Vila Nova da Barquinha

Vila Nova de Cerveira

Vila Nova de Poiares

Vila Viçosa

Vimioso

Vinhais

Viseu

 

Risco Muito Elevado 480 a 960

Abrantes

Águeda

Albergaria-a-Velha

Alijó

Almada

Amadora

Arcos de Valdevez

Arganil

Armamar

Aveiro

Azambuja

Baião

Boticas

Bragança

Cabeceiras de Basto

Cantanhede

Cartaxo

Cascais

Chaves

Constância

Coruche

Covilhã

Esposende

Estarreja

Figueira da Foz

Fundão

Guarda

Ílhavo

Lamego

Lisboa

Loures

Macedo de Cavaleiros

Mangualde

Mealhada

Mêda

Miranda do Corvo

Mirandela

Mogadouro

Mondim de Basto

Mora

Murça

Murtosa

Nazaré

Nisa

Oeiras

Odivelas

Oleiros

Oliveira de Frades

Oliveira do Bairro

Ourém

Pampilhosa da Serra

Penacova

Penamacor

Penela

Pombal

Ponte de Lima

Proença-a-Nova

Reguengos de Monsaraz

Resende

Sabrosa

Sabugal

Santa Marta de Penaguião

São Pedro do Sul

Sátão

Seia

Seixal

Setúbal

Sever do Vouga

Sines

Sintra

Tarouca

Torre de Moncorvo

Vagos

Valpaços

Vila Franca de Xira

Vila Nova de Foz Côa

Vila Nova de Paiva

Vila Pouca de Aguiar

Vila Real

Vila Verde

 

Risco Extremamente Elevado > 960

Alcanena

Alfândega da Fé

Amarante

Amares

Arouca

Barcelos

Belmonte

Braga

Caminha

Castelo de Paiva

Celorico da Beira

Celorico de Basto

Cinfães

Crato

Espinho

Fafe

Felgueiras

Figueira de Castelo Rodrigo

Freixo de Espada à Cinta

Gondomar

Guimarães

Lousada

Maia

Manteigas

Marco de Canaveses

Matosinhos

Oliveira de Azeméis

Ovar

Paços de Ferreira

Paredes

Penafiel

Portalegre

Porto

Póvoa de Lanhoso

Póvoa de Varzim

Santa Maria da Feira

Santo Tirso

São João da Madeira

Trofa

Vale de Cambra

Valença

Valongo

Vieira do Minho

Vila do Conde

Vila Nova de Famalicão

Vila Nova de Gaia

Vizela

Todas as (novas) medidas do novo Estado de Emergência, assim como as que já estavam em vigor.

regras cinco

Medidas do Novo Estado de Emergência

  • proibição de circulação na via pública entre as 23h00 e as 05h00 em dias de semana e nos próximos dois fins-de-semana a partir das 13h00. Esta medida prevê algumas exceções tais como deslocações a trabalho, regresso ao domicílio, situações de emergência, passeio higiénico na proximidade da habitação ou o passeio de animais de estimação, entre outras.

  • A possibilidade de realizar medições de temperatura corporal por meios não invasivos no acesso a locais de trabalho, estabelecimentos de ensino, meios de transporte, espaços comerciais, culturais e desportivos.
  • A possibilidade de exigir testes de diagnóstico para a COVID-19, no acesso a estabelecimentos de saúde, estruturas residenciais, estabelecimentos de ensino, estabelecimentos profissionais na entrada e na saída de território nacional – por via aérea ou marítima – e outros locais, por determinação da DGS.

  • A possibilidade de requisitar recursos, meios e estabelecimentos de saúde dos setores privado e social, após tentativa  de acordo e mediante justa compensação.

  • A mobilização de recursos humanos para reforço da capacidade de rastreamento (ex: realização de inquéritos epidemiológicos, rastreio de contactos, seguimento de pessoas sob vigilância ativa)

  • Dever cívico de recolhimento domiciliário
  • Contacto social
    Eventos e celebrações limitados a 5 pessoas, salvo se do mesmo agregado familiar
  • Teletrabalho
    • Desde que as funções em causa o permitam, o trabalhador disponha de condições para as exercer e não estejam em causa serviços essenciais, o teletrabalho é obrigatório:
      • Para as empresas que laborem neste Concelho;
      • Para os trabalhadores que residam ou trabalhem neste Concelho.
    • O trabalhador, caso não tenha condições técnicas ou habitacionais, deve informar o empregador dos motivos do seu impedimento.
    • O trabalhador mantém os seus direitos, nomeadamente o direito a receber o subsídio de refeição.
    • Se o empregador entender que não estão reunidas as condições deve comunicá-lo ao trabalhador, que, caso não concorde, pode solicitar à Autoridade para as Condições do Trabalho que decida se os requisitos para o teletrabalho se verificam.
    • O empregador disponibiliza os equipamentos de trabalho e de comunicação necessários para o teletrabalho, podendo o trabalhador consentir na utilização dos seus meios, caso não seja possível ao empregador disponibilizá-los.
  • Estabelecimentos comerciais
    Encerramento até às 22:00
    Exceções: take away, farmácias, consultórios e clínicas, funerárias, postos de abastecimento e rent-a-car
  • Restaurantes
    Encerramento até às 22:30
    6 pessoas max, salvo se do mesmo agregado familiar
  • Feiras e mercados de levante
    Proibição de feiras e mercados de levante, salvo autorização emitida pelo presidente da Câmara Municipal, caso estejam verificadas as condições de segurança e o cumprimento das orientações definidas pela DGS
  • Encerramento dos equipamentos culturais até às 22:30

Confinamento parcial em 18 concelhos do Minho a partir de hoje e até 19 de novembro, inclui Esposende

regras cinco

Medidas para concelhos de risco elevado

  • Dever cívico de recolhimento domiciliário
  • Contacto social
    Eventos e celebrações limitados a 5 pessoas, salvo se do mesmo agregado familiar
  • Trabalho
    Teletrabalho obrigatório
    Na impossibilidade de teletrabalho, obrigatoriedade de desfasamento de horários
  • Estabelecimentos comerciais
    Encerramento até às 22:00
    Exceções: take away, farmácias, consultórios e clínicas, funerárias, postos de abastecimento e rent-a-car
  • Restaurantes
    Encerramento até às 22:30
    6 pessoas max, salvo se do mesmo agregado familiar
  • Feiras e mercados de levante
    Proibição de feiras e mercados de levante, salvo autorização emitida pelo presidente da Câmara Municipal, caso estejam verificadas as condições de segurança e o cumprimento das orientações definidas pela DGS
  • Encerramento dos equipamentos culturais até às 22:30

Para além das medidas acima, devem ainda ser observadas nos Concelhos de Risco Elevado as medidas de âmbito nacional com as devidas adaptações, a saber:

Regra dos 5:

  • Distanciamento físico
  • Lavagem frequente das mãos
  • Uso obrigatório de máscara
  • Etiqueta respiratória
  • App Stayaway COVID
regras cinco
  • Confinamento obrigatório para doentes com COVID-19 e pessoas em vigilância ativa
  • Eventos e celebrações limitados a 5 pessoas, salvo se do mesmo agregado familiar
  • Cerimónias religiosas, segundo as regras da DGS
  • Estabelecimentos comerciais com lotação máxima indicativa de 0,05 pessoas por m2
  • Horário de encerramento dos estabelecimentos comerciais às 22h00.
  • Restaurantes: encerramento às 22h30; lotação limitada a 50% da capacidade; grupos limitados a 6 pessoas, ou 4 pessoas nos estabelecimentos até 300 metros de uma escola e nos food-courts de centros comerciais; marcação prévia obrigatória
  • Proibida a venda de bebidas alcoólicas em áreas de serviço e, a partir das 20:00, em qualquer loja
  • Proibido o consumo de bebidas alcoólicas na via pública
  • Veículos particulares com lotação superior a 5 lugares apenas podem circular com 2/3 da sua ocupação, salvo se todos pertencerem ao mesmo agregado familiar.

Esposende é um dos 72 concelhos do país que está atualmente em Risco Muito Elevado de contágio de COVID-19

original

Oito concelhos do Minho estão assinalados como sendo de “risco muito elevado” de contágio por covid-19, de acordo com um mapa publicado este sábado pelo semanário Expresso.

Fafe, Póvoa de Lanhoso, Valença, Esposende, Vila Verde, Famalicão, Vizela e Guimarães são os concelhos que registam mais de 120 contágios por cada 100 mil habitantes (ou a sua proporção nos concelhos com menos habitantes).

Esposende é um dos 72 concelhos do país que está atualmente em Risco Muito Elevado de contágio de COVID-19. É o que diz a edição deste sábado do jornal Expresso, que mostra que a maioria dos concelhos mais preocupantes estão no Norte do país.

O Expresso calculou os concelhos portugueses com maior incidência de COVID-19, entre os dias 5 e 19 de outubro, tendo por base dados da Direção-Geral da Saúde (DGS) e estimativas de população do Instituto Nacional de Estatísticas (INE).

Ao referido jornal, Manuel Carmo Gomes, professor de Epidemiologia na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, defende a divulgação dos mapas de risco de contágio por concelho que foram elaborados pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA) e DGS.

Esses mapas de risco visam fazer “recomendações destinadas ao funcionamento dos transportes públicos, escolas, lares, cafés, restaurantes ou realização de festas, e que possam ser postas em prática pelas autoridades de saúde locais”, explica o especialista.

Fonte: Jornal Expresso

Covid-19. Parlamento aprova uso obrigatório de máscara ao ar livre

mascara rua

O Parlamento aprovou o uso obrigatório de máscaras na rua sempre que não seja possível manter o distanciamento, devido à pandemia. O projeto foi aprovado esta sexta-feira.

De acordo com a nova lei aprovada hoje no Parlamento, quem não usar de máscara em espaços públicos, onde não for possível manter o distanciamento, arrisca-se a multas entre 100 e 500 euros.

A medida foi aprovada por larga maioria. É aplicável a maiores de 10 anos e sempre que não seja possível cumprir o distanciamento físico. O diploma só é válido em Portugal continental.

Estão previstas três tipos de exceções a esta obrigatoriedade: as que tenham uma justificação de saúde, mediante apresentação de atestado ou declaração; quando o uso de máscara seja incompatível com a natureza das atividades que as pessoas se encontrem a realizar; e se o grupo de pessoas façam parte do mesmo agregado familiar sem estarem na proximidade de terceiros.

O diploma (que pode consultar AQUI) foi aprovado na generalidade, especialidade e votação final global, cumprindo num passo todo o processo legislativo na Assembleia da República, o que significa que seguirá para promulgação do Presidente da República já nos próximos dias. Se Marcelo o promulgar de imediato, a medida poderá entrar em vigor no decorrer da próxima semana.