Blog

COMUNICADO

A Associação Cidadãos de Esposende leva 5 anos de serviço em Esposende, todo o nosso trabalho visa exclusivamente a melhoria do concelho.

 

Temos pautado o nosso trabalho pela seriedade sendo um esforço de gentes que querem um Esposende melhor e que de forma voluntária prestam o seu contributo.

 

Entramos hoje oficialmente na campanha eleitoral, um período onde os diferentes partidos apresentam as suas propostas e cabe aos esposendenses decidir o futuro do concelho para os próximos 4 anos.

 

Não queremos, não fazemos politica aquilo que pretendemos é defender Esposende e os seus interesses, se hoje a ponte de fão está melhor foi pela nossa intervenção, se hoje os poços a céu aberto estão a ser fechados foi pela nossa intervenção, se a extração ilegal de areias nas dunas parou foi pela nossa intervenção, se buracos, passadeiras ou passeios foram arranjados foi pela nossa intervenção, e assim ate dezenas e dezenas de situações que os esposendenses nos fazem chegar e nós denunciamos às diferentes entidades. Tudo feito sempre em nosso nome preservando a identidade de quem nos faz chegar o problema.

 

Como não pretendemos misturar o trabalho associativo com a política, (apesar de nos quererem colocar esse “carimbo”) não vamos até ao dia a seguir às eleições colocar qualquer alerta na nossa plataforma, salvo situações de avisos meteorológicas ou situações que exijam algum alerta especial.

 

Podem e devem continuar a enviar os vossos problemas para a associação, ( Alertas@Esposende.org) aqui estará a nossa equipa para lhes dar resposta, paramos apenas a publicação dos problemas de forma que não interfira com a decisão dos esposendenses sobre o futuro do concelho.

 

Aproveitamos para vos agradecer a confiança que depositam na associação, aqui estamos e aqui estaremos para denunciar tudo o que seja preciso, sempre com o mesmo objetivo, melhorar Esposende.

 

Esposende 14 de Setembro 2021

A direção

 

 

Utilização de máscaras

mascara

Máscara na rua facultativa, mas recomendada em algumas situações.

A partir desta segunda-feira, dia 13 de setembro, a utilização de máscara no exterior deixa de ser obrigatória, passando a ser recomendada em algumas situações.

De acordo com a orientação da DGS, a utilização da máscara passa a ser facultativa no exterior e recomendada «quando é previsível a ocorrência de aglomerados populacionais ou sempre que não seja possível manter o distanciamento físico recomendado».

A sua utilização na rua é também recomendada para «pessoas mais vulneráveis», nomeadamente «com doenças crónicas ou estados de imunossupressão com risco acrescido para Covid-19 grave», sempre que «circulem fora do local de residência ou permanência habitual».

No documento, a DGS relembra que o uso de máscara «é uma medida eficaz na prevenção da transmissão de SARS-CoV-2», frisando que, apesar do fim da obrigatoriedade da sua utilização no exterior, o porte desta «continua a ser uma importante medida de contenção da infeção, sobretudo em ambientes e populações com maior risco».

O uso da máscara continuará a ser obrigatório «nos estabelecimentos de educação, ensino e creches», em «espaços e estabelecimentos comerciais e de prestação de serviços», nos «edifícios públicos ou de uso público», nas «salas de espetáculos, cinemas ou similares», nos «transportes coletivos de passageiros» e «em locais de trabalho, sempre que não seja possível o distanciamento físico».

O porte da máscara vai continuar a ser obrigatório também nos «estabelecimentos residenciais para pessoas idosas, unidades da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados e outras estruturas e respostas residenciais para crianças, jovens e pessoas com deficiência, requerentes e beneficiários de proteção internacional e acolhimento de vítimas de violência doméstica e tráfico de seres humanos».

É ainda obrigatório o uso de máscara por pessoas «com infeção por SARS-CoV-2 ou com sintomas sugestivos» da doença e por pessoas consideradas «contacto de um caso confirmado de Covid-19», exceto quando se encontrarem sozinhas «no seu local de isolamento».

O fim do uso obrigatório de máscaras em espaços públicos exteriores acontece no dia em que caduca o último diploma aprovado pelo parlamento e promulgado pelo Presidente da República, em 11 de junho, por um período de 90 dias, não tendo a Assembleia da República proposto a sua renovação.

Para saber mais, consulte:

DGS > Orientação nº 011/2021 de 13/09/2021

Fonte:

DGS

Continuam as mortes nos poços a céu aberto em Esposende

  • poço aberto em Esposende 325

Continuam as mortes nos poços a céu aberto em Esposende

A Associação Cidadãos de Esposende já tinha denunciado no passado mês de março a existência de centenas de poços a céu aberto na união de freguesias de Belinho e Mar em Esposende, apesar das imagens chocantes e de várias reportagens nos principais canais de televisão nacionais os animais continuam a morrer, alguns em poços cuja localização é desconhecida pelas entidades.

No passado Domingo responsáveis da associação acompanharam alguns populares de Belinho e Mar que denunciaram dezenas de poços que não estão contabilizados nos 432 poços da lista oficial, encontrando vários animais mortos e em elevado estado de putrefação.

Na visita realizada, foi possível verificar poços com acesso fácil, junto a caminhos usados para passeios a pé ou bicicleta, acessos à praia e tendo inclusive encontrado poços “disfarçados” em pequenas construções de tijolo tentando o proprietário desta forma ocultar o perigo e a ilegalidade do poço.

Esta revolta na população de Belinho e Mar acentuou-se com a morte no passado dia 30 de julho de um homem de 69 anos, sacristão da Paróquia que foi encontrado morto num poço a céu aberto em Belinho, terreno do qual era proprietário.

Para os responsáveis da Associação Cidadãos de Esposende é prioritário conhecer a dimensão real dos poços a céu aberto não apenas em Belinho e Mar mas em todo o concelho de Esposende e parar com as mortes diárias de animais, alertando para o elevado número de declarações para baixa no registo de animais por morte ou desaparecimento.

A situação de Belinho e Mar tem merecido a maior atenção do SPENA – Serviço de Proteção da Natura da GNR, segundo a Associação Cidadãos de Esposende, os militares tem feito uma intervenção muito positiva no entanto a dimensão do problema requer provavelmente um reforço de meios.

 

Neste sentido, a associação vai endereçar nos próximos dias, um pedido à Ministra da Agricultura para que visite Esposende e verifique no local a gravidade da situação e um outro para o Ministro da Administração Interna fazendo ver a necessidade de reforçar os meios de intervenção.

A convite da Associação Cidadãos de Esposende, um dos mais prestigiados biólogos nacionais esteve em Esposende

Biologo Nunes de Oliveira

Biólogo Nuno Gomes Oliveira visita Rede de Observatórios da Natureza em Esposende e deixa vários avisos sobre as estruturas locais.

 

A convite da Associação Cidadãos de Esposende, um dos mais prestigiados biólogos nacionais esteve em Esposende para avaliar alguns pontos marcados como de interesse turístico e paisagístico no concelho de Esposende, espaços englobados na Rede de Observatórios da Natureza.

 

Nuno Gomes Oliveira é Doutorado em Biologia pela Univ. de Coimbra, licenciado em Biologia pela Univ. de Bordéus e diplomado em Ecologia Humana pela mesma Universidade, foi fundador em 1974, do Núcleo Português de Estudo e Proteção da Vida Selvagem e autor dos projetos Parque Biológico de Gaia, Parque Biológico de Vinhais, Reserva Natural Local do Estuário do Douro é autor de vários livros e centenas de artigos e palestras.

A visita às estruturas teve início no “Observatório de Esposende”, localizado a escassos metros da marginal de Esposende que foi imediatamente catalogado como “uma peça interessante”, mas não como um observatório de aves já que o acesso e posição de observação estão erradas, deixando Nunes de Oliveira a indicação que seria importante investir na ajuda de um ornitólogo experiente que certamente teria obtido resultados muitos melhores.

O segundo local visitado, a “Torre de Observação Panorâmica de Belinho”, uma estrutura com 12 metros de altura, que para Nunes de Oliveira fase ao seu deplorável estado de conservação aconselha à urgente reparação ou desmontagem, sendo ainda alvo de reparo a localização, exatamente do lado oposto ao que seria previsto num observatório.

A última estrutura visitada, “Observatório da Redonda” em Marinhas foi também alvo de reparos, para o Biólogo Nunes de Oliveira é um observatório em que pouco se observa já que esta mal posicionado algo tão primário como a aproximação não foi tida em conta.

 

Para o prestigiado Biólogo os locais visitados em Esposende são investimentos feitos sem critérios técnicos e condenados à falta de manutenção o que os torna/tornou rapidamente obsoletos, sendo motivo (eles próprios) de degradação da paisagem.

 

A Associação Cidadãos de Esposende já tem previsto a visita para o próximo mês de mais uma personalidade nacional com o objetivo de analisar a segurança na Ecovia do Litoral Norte.

 

Testes COVID

Há 13 farmácias no Minho com testes comparticipados à covid-19. Saiba quais

regras cinco

Um total de 146 farmácias de Portugal continental estão a realizar testes rápidos de antigénio à Covid-19, no âmbito do regime que prevê a sua comparticipação a 100%, indica a lista hoje publicada pelo INSA.

 

No Minho, existem onze no distrito de Braga e duas no de Viana do Castelo

 

No concelho de Braga, são cinco as farmácias onde pode realizar estes testes de uso profissional: Farmácia Coelho, Farmácia de Lamaçães, Farmácia de Lomar, Farmácia Lima e Farmácia Sousa Gomes.

 

As restantes seis no distrito situam-se em Carvalhal, Barcelos (Farmácia Cruzeiro), Fafe (Farmácia da Cumieira), Guimarães (Farmácia S. Torcato), Ruivães, Vieira do Minho (Farmácia Ruivães), Famalicão (Farmácia de Fradelos) e Prado, Vila Verde (Farmácia Rocha).

 

A partir de 01 de julho, os testes rápidos de antigénio (TRAg) à covid-19 passaram a ser comparticipados a 100%, uma medida para intensificar a sua utilização pela população e reforçar o controlo da pandemia de covid-19.

 

A comparticipação é limitada a um máximo de quatro testes por mês e por utente e não se aplica aos utentes que têm o certificado de vacinação (que ateste o esquema vacinal completo) ou o certificado de recuperação, nem aos menores de 12 anos.

 

Nota: Em Barcelos surge uma nova a Farmácia de Barcelinhos

Associação Cidadãos de Esposende cria campanha contra estacionamento abusivo

ominho
braga TV

Associação Cidadãos de Esposende lança campanha contra o estacionamento abusivo

 

Depois de receber vários pedidos por parte da população local, a Associação Cidadãos de Esposende vai passar para o terreno com uma campanha contra o estacionamento abusivo, que considera relevante para o concelho e para melhoria da qualidade de vida dos esposendenses.

 

Em Esposende, são várias as viaturas que apresentam sinais de abandono na via pública. Um pouco por todo o concelho existem viaturas que ocupam o mesmo lugar de estacionamento, algumas com visíveis sinais de abandono.

 

Este é um problema que em 2020 levou a associação a denunciar vários casos, sendo os carros posteriormente removidos conforme previsto na lei vigente.

 

Diz o artigo 163.º do Código da Estrada que é considerado indevido ou abusivo o estacionamento de veículo, durante 30 dias consecutivos, em local da via pública ou em parque ou zona de estacionamento isentos do pagamento de qualquer taxa. O mesmo se aplica a veículos sem chapa de matrícula ou com chapa que não permita a correta leitura da matrícula. E, ainda, a automóveis que apresentem sinais exteriores evidentes de abandono, de inutilização ou de impossibilidade de se deslocarem com segurança pelos próprios meios, que estejam parados no mesmo local por um período superior a 48 horas.

 

Com a remoção das viaturas, a associação pretende em primeiro lugar melhorar a imagem paisagística do concelho, devolvendo os lugares para estacionamento e requalificando o espaço público. Além de melhorar a qualidade ambiental, com esta medida pretende-se também beneficiar a mobilidade dos transeuntes e aumentar a sua segurança.

 

Para facilitar o registo das viaturas abandonadas ou com largos períodos contínuos de estacionamento, a associação pede que sejam enviados os dados para o endereço de e-mail Geral@Esposende.org, sendo que todo o processo de registo e posterior comunicação às entidades será feito pelos responsáveis da associação, preservando assim a identidade de quem faz chegar o problema.

 

A associação apela à população para que não abandone as viaturas em fim de vida na via pública, porque, além de causar dificuldades de estacionamento, estas são prejudiciais ao ambiente.

 

 

 

Associação Cidadãos de Esposende alerta para poços a céu aberto em Esposende

Associação Cidadãos de Esposende alerta para poços a céu aberto em Esposende

A Associação Cidadãos de Esposende alerta os cidadãos para a existência de vários poços a céu aberto no concelho, sem qualquer vedação ou sinalização para prevenir acidentes. Esta situação coloca em risco a vida das pessoas e dos animais em Esposende.

A Associação tomou conhecimento de um acidente, ocorrido recentemente num destes poços, que provocou a morte a um cão e deixou a sua família em sofrimento. A Associação não quer que amanhã seja notícia a morte de uma criança, pelo que alertou várias entidades nacionais para que intervenham nesta situação.

A morte de um animal no dia 8 de março não deixou indiferente a Associação, que pretende que as entidades responsáveis apurem quantos poços existem a céu aberto em Esposende e a legalidade dos mesmos, tendo conhecimento de pelo menos sete locais onde existem poços sem qualquer segurança mas que podem chegar às dezenas espalhados por todo o concelho.

 

Não se entende que em pleno 2021, sendo Esposende um concelho que pretende ser uma referência a nível de turismo e de inovação, se verifiquem situações destas e que se tenha de lamentar a morte de um animal para que sejam tomadas medidas. A Associação teve conhecimento dos poços a céu aberto no dia 9 de março e no mesmo dia já iniciou os contactos com diferentes entidades nacionais para que esclareçam a legalidade dos mesmos e apurem responsabilidades.

 

A Associação apela aos Esposendenses para que denunciem estas situações, seja através do endereço de e-mail institucional Geral@Esposende.org ou da plataforma de alertas que a associação dispõem ao serviço da comunidade local, www.AlertaCidadao.pt, sendo importante a contribuição dos cidadãos para evitar futuras tragédias em Esposende.

 

De recordar que foi esta mesma associação que alertou para os problemas de segurança na ponte  D. Luís Filipe, tal era a gravidade do estado da ponte que a Associação pediu o seu fecho imediato, situação que levou a empresa Infraestruturas de Portugal a intervir na recuperação total do passadiço. Foi também por intervenção desta associação que terminou uma extração ilegal de areias nas dunas de Esposende.