Blog

Associação Cidadãos de Esposende presente na primeira sessão Smart Cities Tour

a

A Associação Cidadãos de Esposende marcou presença na primeira paragem do Smart Cities Tour 2020, Uma iniciativa nacional, composta por workshops temáticos realizados em cinco cidades portuguesas que decorreu no passado dia 12 no Fórum Cultural de Ermesinde.

Uma sessão que contou com a presença de várias empresas de renome internacional, Altice, EDP e CTT abordaram a temática “Cidade Circular”.

O roteiro das cidades inteligentes Smart Cities Tour” promovido pela Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) tem como objetivos trocar experiências entre concelhos e partilhar boas práticas e soluções inovadoras.

São seis os eventos na agenda, Valongo 12 fevereiro “Cidade Circular”; Évora 27 maio “Smart Grids e Comunidades de Energia Zero Carbono”; Covilhã 30 junho “Mobilidade Sustentável”; Monchique 29 setembro “Smart Tourism” e Oeiras 4 novembro “Inovação Inteligente”.

No Tour não consta a cidade de Esposende, facto que levou os responsáveis da Associação Cidadãos de Esposende a solicitar ao Presidente da Câmara Municipal de Esposende, Arquiteto Benjamim Pereira um esclarecimento sobre os objetivos reais para a Smart City de Esposende e qual a razão de Esposende não constar no Tour 2020, questionando mesmo o máximo responsável se o investimento em “Obras de Arte” será a melhor forma de dinamizar uma Smart City.

Na sessão que se realizou em Ermesinde foram abordados vários temas, sendo enaltecido o uso das tecnologias, não constou qualquer referência a obras de arte como parte importante no desenvolvimento económico, eficiência urbana ou sustentabilidade.

Para a Associação Cidadãos de Esposende é fundamental que o Presidente da Câmara Municipal de Esposende entenda a importância no uso de novas tecnologias e de eventos inovadores, que permitem otimizar o planeamento e gestão das cidades, aumentando a eficiência das operações urbanas, o seu desenvolvimento económico e a sua sustentabilidade.

Uma cidade inteligente é uma cidade interconectada, entre si e com os seus cidadãos.

A Associação já solicitou a Benjamim Pereira um “Summit” para Esposende ou maior apoio aos jovens que desenvolvem aplicações ecológicas no centro de programação local, para os responsáveis desta Associação só assim se consegue desenvolver o conceito Smart City, não é com obras de arte ou com sensores que medem a poluição que se consegue colocar Esposende como uma verdadeira cidade inteligente,

Se Esposende pretende ser uma referência nacional em Smart City deve investir como o fazem a maior parte das cidades inteligentes por toda a Europa em Tecnologia inovadora, apostar na monotorização de praias com uma APP que permita saber como está o tempo numa determinada praia e a temperatura da água em tempo real é um exemplo do que poderia ser feito em Esposende e que certamente teria maior impacto que duas das obras de arte que foram recentemente colocadas na marginal de Esposende..

Associação Cidadãos de Esposende pede mais incentivos para atrair empresas

artigo empresa

Criação de mecanismos para atrair empresas e investimento no concelho de Esposende é um dos pedidos ao presidente da câmara Benjamim Pereira.

A Associação Cidadãos de Esposende enviou uma proposta ao presidente da câmara, Benjamim Pereira, pedindo maior dinamismo empresarial para o concelho. Na visão da associação, não são as obras de arte ou sensores que medem a qualidade do ar que tornam Esposende um concelho apetecível. A associação considera que é preciso olhar para o que os rodeia e para o que outros concelhos fazem para atrair investimento.

Incentivos às empresas

Considerando que o desenvolvimento económico do território é fundamental para a melhoria da qualidade de vida da comunidade local, a associação considera importante incentivar o investimento empresarial no município de Esposende.

Tornar o seu território cada vez mais atrativo para potenciais investidores, com vista à captação de investimentos que fomentem o desenvolvimento sustentado, que contribuam para a diversificação do tecido empresarial e que promovam a criação de novos postos de trabalho, assentes na qualificação. É desta forma que a Associação Cidadãos de Esposende sustenta o pedido realizado ao presidente da câmara Municipal de Esposende, Benjamim Pereira.

As seis minutas de contratos de investimento que o município aprovou em 2018 para a modernização de empresas do concelho são “amplamente insuficientes”, diz a associação, sendo que o próprio regulamento para a concessão de Incentivos ao investimento, em vigor no município de Esposende é insuficiente face ao que outros concelhos oferecem.

Exemplos a seguir

Hoje vemos vários exemplos de sucesso, A autarquia de Mogadouro criou um incentivo às empresas que contratem trabalhadores por um período de cinco anos, apoiando a criação de postos de trabalho com um montante máximo até oito salários mínimos. A autarquia de Cinfães paga seis meses de salário mínimo aos funcionários das empresas que se instalem no concelho desde que sejam contratados por três anos, e como estes existem dezenas de incentivos criados que visam atrair investimento.

Esposende necessita de criar uma nova vitalidade empresarial, a plataforma “Esposende empreendedor” não é atualizada desde 2018 não tendo qualquer impacto na dinamização empresarial local ou na captação de investimentos. O “Centro de Negócios” leva quatro anos de atraso e vários milhares de euros perdidos em rendas pagas por um espaço que até aos dias de hoje não teve qualquer utilidade.

As câmaras municipais recolhem uma parte importante dos impostos pagos pelos contribuintes, por isso, faz todo o sentido e é extremamente importante que esse dinheiro possa ser investido e semeado em desenvolvimento.

Uma das formas de semear o desenvolvimento é apoiar as empresas e o empreendedorismo, não é com corridas, passeios, obras de arte, sensores ou concertos que se criam postos de trabalho estáveis no concelho de Esposende.

 

A associação vem pedindo a Benjamim Pereira novos eventos dinamizadores que permitam dar a conhecer as empresas e o potencial existente no concelho e desta forma atrair novos investidores. A sua intenção é que “os jovens cresçam em Esposende e fiquem em Esposende”, uma tentativa de travar a saída de população do concelho e atrair novas empresas.

Associação Cidadãos de Esposende pede incentivos à natalidade no concelho

A proposta enviada ao presidente da câmara, Benjamim Pereira, pede apoios entre os mil e três mil euros para as famílias de Esposende

A Associação Cidadãos de Esposende enviou um pedido ao presidente da câmara municipal de Esposende, Benjamim Pereira, solicitando a criação de incentivos monetários à natalidade. Os valores propostos são os seguintes:

a) 1000€, para o 1.º filho;

b) 1500€, para o 2.º filho;

c) 2000€, para o 3.º filho;

d) 3000€, para o 4.º filho e seguintes.

 

São estes os valores que a Associação considera essenciais para a fixação e melhoria das condições de vida de jovens famílias e dos recém-nascidos, e impulsionar a economia local – princípios fundamentais para a formação de uma comunidade mais justa, solidária e para a criação de um território socialmente mais apelativo para viver, residir e trabalhar.

Para os responsáveis da associação, é preciso investir na fixação das famílias em Esposende e ir ao encontro do que muitas outras cidades fazem para que os residentes não abandonem os seus concelhos.

Proposta nas mãos do presidente

Na proposta enviada a Benjamim Pereira, a associação sugere que 50% do valor recebido seja gasto no comércio local. Desta forma, não são apenas as famílias a beneficiar do apoio mas todo o concelho, já que as compras para os bebés seriam feitas em lojas de Esposende com o consequente impacto positivo na economia local.

Hoje vemos concelhos por todo o país com incentivos à natalidade e os resultados positivos que se verificam são suficientes para sustentar o pedido de apoio para as famílias de Esposende; um apoio que certamente dará um maior conforto e permitirá que os custos com os primeiros meses do bebé sejam encarados com maior otimismo.

Portugal regista uma das taxas mais baixas da União Europeia a que nascimento se refere. Para contrariar esta tendência o governo lançou várias iniciativas; no entanto, são as autarquias a fazer a diferença com os apoios extra como os que pede a associação para os residentes.

Mais medidas para dinamizar Esposende

A Associação Cidadãos de Esposende vem manifestando junto de Benjamim Pereira maior dinamismo para o concelho com iniciativas que passem por apoiar as empresas, as famílias, os jovens e que permitam colocar Esposende como um concelho apetecível para se viver e investir.

Quando se pretende colocar Esposende como uma referência de SmartCity deve-se definir prioridades, não se pode dar preferência à arte para atrair turismo ou sensores que medem a qualidade do ar para atrair atenções. Devemos pensar em quem aqui vive todo o ano: são os moradores os responsáveis por sustentar uma economia local durante 365 dias, não é quem vem a Esposende tomar um café ao fim de semana ou almoçar uma vez por mês que deva ser o alvo prioritário da atenção local.

 

Associação Cidadãos de Esposende pede videovigilância para a cidade de Esposende

Associação Cidadãos de Esposende pede videovigilância para a cidade

Pedido realizado a Benjamim Pereira, autarca de Esposende, tem como propósito o aumento da segurança.

A Associação Cidadãos de Esposende solicitou ao presidente da câmara municipal de Esposende, Benjamim Pereira, um sistema de videovigilância para a cidade com o intuito de garantir maior segurança à população e aos comerciantes. Segundo os responsáveis da associação, a implementação de videovigilância em Esposende é necessária tendo em conta os recentes assaltos, em novembro de 2019. A cidade esteve cinco dias com assaltos consecutivos: 10 carros, duas escolas e quatro estabelecimentos foram assaltados.

Uma vaga de assaltos que certamente poderia ser evitada com um sistema dissuasor que permitiria, por outro lado, apoiar as forças de segurança em posteriores investigações. A GNR realiza um trabalho notável na defesa e prevenção, mas é impossível aos homens e mulheres estarem em todos os locais.

Tecnologia no apoio à segurança

São cada vez mais as cidades portuguesas que optam por colocar um sistema de videovigilância. Leiria, com 19 câmaras, é um exemplo de como o sistema permitiu reduzir o número de assaltos.


Esposende quer afirmar-se como destino turístico e para isso deve inovar, mostrar que realmente se quer afiançar como uma SmartCity, com ações reais e implementação de novos projetos. A Associação Cidadãos de Esposende vem solicitando a Benjamim Pereira maior inovação: um Summit que permita as empresas mostrar o seu potencial ou apoio para os jovens do concelho de forma a estes lograrem desenvolver as suas ideias são alguns dos projetos apresentados que aguardam resposta do presidente da câmara municipal.

A videovigilância vai certamente trazer maior segurança, não apenas para os residentes mas para todos aqueles que procuram Esposende como destino turístico; se a segurança aumenta, certamente aumenta o número de visitantes no concelho tendo um impacto direto na economia local.

Objetivos em 2020

A Associação já definiu as suas metas para 2020 e uma das “bandeiras” deste novo ano será defender Esposende e os interesses dos Esposendenses através de uma maior intervenção junto da comunidade. Para os responsáveis desta Associação, o concelho precisa de uma voz interventiva e na conjuntura atual não vemos quem apresente ideias ou projetos que permitam a Esposende crescer e desenvolver o seu potencial. Não queremos apenas corridas, passeios, concertos ou obras de arte, queremos muito mais porque podemos e devemos fazer muito mais pelo concelho e pelos que aqui residem – é desta forma contundente que a associação prepara o novo ano.

Associação Cidadãos de Esposende quer mudar prato identitário do concelho

prato esposende
É pedida a participação dos cidadãos para substituir o ‘Polvo na Pedra à Esposende’, que foi lançado em 2015 e é hoje um prato esquecido.

Associação Cidadãos de Esposende quer mudar prato identitário do concelho

É pedida a participação dos cidadãos para substituir o ‘Polvo na Pedra à Esposende’, que foi lançado em 2015 e é hoje um prato esquecido.

A Associação Cidadãos de Esposende pretende estimular o município a mudar o prato identificativo da gastronomia do concelho, o “Polvo na Pedra à Esposende”, que foi lançado em 2015 pela câmara municipal com um resultado aquém do esperado passado cinco anos. Poucos são os restaurantes que confecionam o polvo da forma como foi apresentado, numa caldeirada, em que entram produtos hortícolas locais como batata, pimento, tomate e grelos.

Na sua apresentação, em junho de 2015, o presidente da câmara municipal de Esposende, arquiteto Benjamim Pereira, referia que o prato seria diferenciador, idealizado e concretizado para ser um sucesso tanto pela endogeneidade dos produtos utilizados na sua confeção, quer pelo contributo de toda a equipa que esteve na base do projeto.

Foi uma apresentação que teve o seu ponto alto na degustação numa unidade hoteleira do concelho.

Resultados não foram os esperados

No entanto, o prato que previa ser um promotor da gastronomia, do turismo e consequentemente da economia local não logrou consolidar essa posição. Hoje, vemos um prato em que poucos sabem da sua existência, que mesmo sendo transportado para feiras internacionais de turismo não apresenta resultados práticos na restauração local. Basta ver quantos restaurantes de Esposende o colocam na sua ementa ou quantas agências de viagem o colocam como prato atrativo de gastronomia.

Algo deve ser feito, considera a Associação de Cidadãos, visto que não adianta insistir num prato que não apresenta resultados significativos.

A Associação pretende que sejam os Esposendenses a escolher o prato identificativo da gastronomia local. Para os responsáveis desta Associação, a escolha deve ser de quem vive no concelho, de quem diariamente visita a restauração e não de um “chef” de cozinha que visita Esposende algumas vezes por ano. O “Polvo na Pedra à Esposende” deveria ser alterado por um prato que realmente represente Esposende e que permite a todos os restaurantes a sua confeção.

 Consulta aos cidadãos

De forma a possibilitar aos Esposendenses a participação na escolha do prato identificativo, a Associação lança nos próximos dias na página Esposende.org e nas redes sociais uma campanha de incentivo à participação.

Os resultados serão posteriormente remetidos para o presidente da câmara municipal de Esposende na expectativa de que o prato referência do concelho seja alterado

A escolha de um prato não deve ser opção de uma pessoa ou de quatro, deve ser dos cidadãos do concelho, de quem vive e respira Esposende diariamente. É desta forma que a Associação entende que devem ser feitas as opções no concelho “ouvindo” os Esposendenses e não impondo aos Esposendenses.

Associação Cidadãos de Esposende solicita ao município passadeiras 3D

Associação Cidadãos de Esposende solicita ao município passadeiras 3D

Pedido feito à câmara municipal defende que estas passadeiras incentivam a redução da velocidade e aumentam a segurança rodoviária.

A Associação Cidadãos de Esposende solicitou ao município a colocação de passadeiras 3D na marginal de Esposende, com o intuito de aumentar a segurança rodoviária. A ideia foi apresentada ao presidente da câmara municipal de Esposende, Benjamim Pereira, sendo que a passadeira 3D visa a redução gradual de velocidade através de uma ilusão de óptica.

marginal de Esposende é local de passagem de centenas de crianças, que diariamente se deslocam para a escola e um dos locais mais procurado por quem visita a cidade.

Perante esta conjuntura, a Associação Cidadãos de Esposende solicita que toda a zona da marginal de Esposende seja alvo de especial atenção, uma vez que as lombas e passadeiras existentes têm revelado ser insuficientes para diminuir os acidentes com peões.

Um problema de segurança rodoviária

Os atropelamentos são um dos maiores problemas nas estradas, pois o embate de carros com os peões acaba por ter normalmente consequências muito graves para aqueles que são os utentes mais fracos da via. A marginal de Esposende tem sido palco de vários atropelamentos ao longo dos últimos anos.

A passadeira 3D, na prática, é uma pintura no chão que dá o efeito de relevo das riscas brancas, o que, de acordo com estudos elaborados, provoca uma redução da velocidade dos condutores.

A passadeira cria uma ilusão de óptica que faz os condutores travarem ao aproximarem-se. O efeito óptico 3D funciona de uma certa distância e durante breves segundos, provocando um abrandamento suave e não uma travagem abrupta.

O modelo não é novo; na Índia, China e Rússia existem passadeiras 3D com resultados de tal forma positivos que já são aplicados em grandes cidades europeias. Em Espanha são várias as cidades que optaram por este modelo de passadeira.

Aplicação mais fácil e com custo inferior

O custo de uma passadeira 3D é menor que as Lombas Redutoras de Velocidade (LRV) e tem garantidamente maior impacto. Em termos de obra é extremamente simples de realizar. Na marginal de Esposende existem lombas, passadeiras e sinais luminosos; no entanto, parece que todo o investimento realizado não tem correspondido na diminuição dos acidentes numa das zonas mais emblemáticas da cidade.

A Associação Cidadãos de Esposende pretende, numa primeira fase, que as passadeiras 3D sejam colocadas na marginal de Esposende e posteriormente no acesso a todas as escolas do concelho, de forma a aumentar a segurança das crianças que diariamente se deslocam para os locais de ensino por todo o concelho.

 

Numa cidade que pretende ser Smart City, é preciso saber inovar. A passadeira 3D é mais um desafio que a Associação lança ao presidente da câmara, Benjamim Pereira, depois de no passado mês de novembro ter “desafiado” a câmara a realizar um Esposende Summit no concelho.

Passadeira 3D Esposende

Associação alerta para os perigos na obra do canal intercetor de Esposende

Canal 5

Associação alerta para os perigos na obra do canal intercetor de Esposende

 

Fossos e buracos sem qualquer sinalização colocam população e animais em risco, avisa Associação de Cidadãos de Esposende.

 

A Associação Cidadãos de Esposende alertou hoje a câmara municipal de Esposende para a falta de segurança nas obras do canal intercetor, uma obra que visa proteger Esposende das cheias e com um investimento de vários milhões de euros.

Fossos enormes, buracos sem qualquer sinalização ou proteção e entrada no local da obra que está a decorrer representam um perigo iminente para todos os que por essa zona passam, adverte a Associação.

Neste sentido, a Associação remeteu para o presidente da câmara municipal de Esposende, Benjamim Pereira, um alerta dando conta desta situação e do perigo que representa neste momento a obra em curso para pessoas e animais.

Um risco para todos

São metros de fossas e qualquer pessoa consegue aceder a elas, já que em vários locais da zona em obras não existem sinais de proibição ou mesmo qualquer sinal de obra em curso.

A vedação é praticamente inexistente, deixando em aberto a passagem seja de pessoas, seja de animais.

Se alguma criança entra num dos fossos, é impossível que consiga sair, dada a profundidade e a água acumulada.

Este investimento no canal intercetor de Esposende é comparticipado por fundos comunitários em 3,9 milhões de euros, um valor que certamente contempla a segurança de todos. A associação considera que é inadmissível que numa obra com estas características e com um valor de vários milhões de euros não se coloque a segurança em primeiro lugar.

Uma obra que pretende salvar Esposende das inundações, como é o caso, não pode ser colocada no terreno de qualquer forma – há que assegurar todas as condições de segurança.

A Associação já manifestou junto do presidente da câmara a disponibilidade para iniciar um processo junto das autoridades solicitando a suspensão da obra até estarem reunidas todas as condições de segurança. Apesar do apoio ao canal, é necessário ter garantias de segurança.

Caso não é inédito

Este não é o primeiro caso onde a Associação se vê obrigada a intervir pela falta de eficácia local. Ainda este mês de novembro, foi alertado o município de Esposende para a grande acumulação da planta jacinto-de-água (Eichhornia crassipes), sendo que em apenas uns dias a situação foi resolvida. Agora, a Associação está convicta de que os responsáveis locais vão colocar medidas urgentes no terreno, vedando toda a zona das obras e colocando a sinalização em falta de forma a alertar para os perigos associados.

De referir que a Associação Cidadãos de Esposende opera a plataforma Alerta Cidadão, através da qual tem dado a conhecer dezenas de situações graves no concelho com o intuito de melhorar a segurança da população.

 

Para os responsáveis da Associação, este alerta deve ser resolvido rapidamente, referindo que “devemos optar por prevenir” e “não podemos ficar à espera que algo aconteça para depois lamentar e agir.”

Associação desafia Câmara Municipal de Esposende a organizar evento de empreendedorismo

Esposende summit

Associação desafia Câmara Municipal de Esposende a organizar evento de empreendedorismo

A ideia por detrás da proposta para a “Esposende Summit” é mostrar o ecossistema empreendedor e ter impacto na economia local.

Colocar Esposende na rota do empreendedorismo, das startups, do comércio digital e dinamizar o concelho num evento que serve igualmente de montra para os produtos locais, para novos contactos e quem sabe novos investidores, tudo na “Esposende Summit”.

É desta forma que a Associação Cidadãos de Esposende pretende motivar o presidente da Câmara Municipal de Esposende a realizar um evento que permita dar a conhecer Esposende internacionalmente, tirando proveito da procura existente por este género de eventos que se realizam em várias parte do mundo.

A ideia de uma ‘Summit’ em Esposende

Esposende Summit será um evento que permite a todos os criadores locais apresentar os seus trabalhos, aberto à comunidade nacional e internacional. Será certamente uma oportunidade de pequenas e medias empresas poderem usar esta montra para anunciar os diferentes projetos, um evento que envolva entidades ou organismos como o Instituto do Emprego e Formação Profissional ou o Instituto Português do Desporto e Juventude, permitindo potencializar o crescimento competitivo.

 

Que impacto terá na economia local um evento destas dimensões, que investimentos surgem posteriormente, que apoios serão concedidos às startups ou empresas que coloque projetos de interesse? São questões importantes e que merecem ser analisadas.

Juventude de Esposende prepara projecto ambiental para aproveitar água do mar

Aproveitar a água do mar para diferentes utilizações é o grande objectivo de um grupo de crianças e jovens de Esposende. “Aproveita o que o Mar te oferece”: é desta forma que um grupo de alunos do “CoderDojo” Esposende pretende iniciar o seu novo ano lectivo.

O “CoderDojo” é um espaço de programação onde os jovens de Esposende aprendem de forma gratuita a programar.

Para este ano lectivo (2019/2020), o “CoderDojo” Esposende aposta no Ambiente, através de um novo projecto ambicioso que será preparado ao longo de vários meses para ser apresentado num encontro internacional a realizar na Califórnia, Estado Unidos, em Março.

TRANSFORMAR ÁGUA SALGADA EM ÁGUA POTÁVEL

O projecto tem como objectivo «poder recolher água do mar e através de um sistema de aquecimento/filtragem com monitorização, proceder à sua dessalinização. Assim que o projecto esteja a funcionar, serão realizados testes para apurar a qualidade da água, tendo previsto que no verão de 2020 este sistema possa ser utilizado nas praias de Esposende com duas grandes vantagens ambientais: por um lado, evitar que se levem garrafas de água reduzindo desta forma o plástico, e por outro lado possibilitar, por exemplo, que na praia destinada aos animais existam bebedouros sustentáveis», pode ler-se em comunicado enviado.

Para os responsáveis da Associação de Cidadãos de Esposende, este projecto «vai ao encontro de uma grande preocupação mundial, o planeta e pretende-se sensibilizar e motivar os jovens para o ambiente e simultaneamente criar formas de aproveitamento naturais».

IMPACTO DO CODER DOJO

Desde 2017, ano em que a Associação de Cidadãos de Esposende lançou este centro, são vários os projectos desenvolvidos pelos seus alunos e que têm merecido o reconhecimento internacional. Em 2019, este grupo de alunos esteve na Code Week, em Bruxelas, e no Coolest Projects, em Dublin. Em ambas as deslocações as ideias levadas e a qualidade do seu trabalho merecem o reconhecimento de diferentes entidades internacionais.

A Associação espera agora contar com o apoio dos responsáveis locais, sendo que já existe um pedido de apoio dirigido ao Vereador da Juventude, Rui Losa, solicitando um novo espaço que permita dar resposta à procura.

As actuais instalações começam a ficar pequenas para a quantidade de jovens que pretendem iniciar a programação. Nos próximos dias será enviado um pedido de apoio para o desenvolvimento do novo projecto, “Aproveita o que o Mar te oferece”.

Nas deslocações realizadas em 2019 a Associação Cidadãos de Esposende teve de suportar os custos da viagem pela falta de apoios locais. Para 2020, estão previstas várias acções com vista a angariação de fundos entre as quais um peditório público Nacional fundamentado na sustentabilidade do projecto e no seu interesse ambiental.

Smart City Esposende

Esposende Online

Associação Cidadãos de Esposende lança novo projeto

www.EsposendeOnline.pt já esta disponível para consulta e pretende servir como canal de comunicação entre os cidadãos e as diferentes entidades possibilitando assim uma melhoria na qualidade de vida dos Esposendenses.

 

A página está dividida em cinco grandes áreas, Emprego, Ambiente, Empresas, Cidadania e Smart City